fbpx

Passo a passo para o autoexame de mama

14 de outubro de 2020 por Luiza D'Ajuda0
passo-a-passo-para-o-autoexame-de-mama.jpg

Alguma vez na vida você já parou tudo e fez um autoexame de mama

Caso isso ainda não tenha acontecido ou tenha dúvidas, chegou o dia de tirar alguns minutos (ou horas) do seu dia para cuidar de você.

A atenção plena é um fator de extrema importância para que seja possível perceber mudanças no corpo, sejam elas explícitas ou sutis.

Algumas neoplasias não se tornam evidentes em um primeiro momento, pois não apresentam sintomas, fazendo com que o diagnóstico precoce possa ser adiado.

Sendo assim, os tratamentos passam a serem realizados quando o possível câncer está, muitas vezes, em estágio avançado. 

Esse fato é o que lutamos constantemente para que não aconteça, realizando campanhas de conscientização para que exames de rotina sejam feitos, garantindo um diagnóstico precoce e tratamentos de sucesso.

Pensando nisso, preparamos este conteúdo para que você saiba como realizar o passo a passo do autoexame de mama.

A importância do autoexame de mama para a saúde da mulher

Conhecer o próprio corpo é fundamental. O autoexame de mama é um processo simples, rápido, fácil.

Você sabia que aproximadamente 80% dos casos de câncer de mama são descobertos pelas próprias mulheres? 

A neoplasia é a segunda mais comum entre mulheres, ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma no Brasil. Entre os homens, apenas 1% são afetados, mas vale ressaltar que também é imprescindível que se cuidem, mesmo não sendo comum.

Geralmente, o câncer de mama não tende a acometer mulheres abaixo dos 35, mas a incidência pode variar devido a alguns fatores, como: hereditariedade.

Por isso, indicamos que o autoexame seja feito a partir dos 20 anos, até porque quanto mais uma mulher conhecer seus seios, mais ela será capaz de notar qualquer tipo de alteração.

Tenha uma atenção especial caso você se enquadre em um desses itens:

  • Obesidade;
  • Alcoolismo;
  • Sedentarismo;
  • Ter filhos;
  • Uso de pílulas anticoncepcionais;
  • Amamentação.

Autoexame de mama: Se ame, se cuide, se toque!

Primeiro, é preciso aguardar sete dias do início da menstruação e, caso já  esteja na menopausa, o ideal é escolher um dia por mês para fazer o procedimento.

Além disso, mulheres acima de 40 anos, devem realizar impreterivelmente a mamografia, pelo menos uma vez ao ano. Isso porque ela será capaz de identificar tipos de lesões não palpáveis.

Lembre-se: mesmo que os nódulos sejam benignos, eles também precisam de tratamento!

O autoexame é apenas o primeiro passo, o início da sua precaução e é preciso ser levado a sério, bem como as visitas anuais ao ginecologista e demais exames solicitados por ele.

Você pode realizar a palpação de diferentes formas: debaixo do chuveiro, de pé ou deitada e, a seguir, detalharemos cada uma delas para que fique mais fácil nas primeiras vezes. Vamos lá?

  1. Observe-se atentamente em frente ao espelho
  • Tire a sua blusa e também o sutiã, coloque as mãos na cintura e fique de pé, olhando para as suas mamas pelo espelho;
  • Verifique com atenção todos os detalhes: tamanho das mamas, diferenças entre elas, formato, contorno, mamilos;
  • Observe se existem alterações nas mamas: pele, auréolas, mamilos, ondulações;
  • O seu sutiã deixou marcas em apenas alguma das mamas? Se isso acontecer, pode ser que a mama marcada esteja um pouco inchada. Verifique também a regulagem do sutiã;
  • Agora, deixe os braços soltos ao longo do corpo e observe fixamente novamente as suas mamas, alguma coisa mudou?
  • Faça o mesmo processo levantando os braços.

 

  1. Apalpação das mamas durante o banho
  • Permaneça com a coluna bem ereta, coloque a mão esquerda atrás da nuca, com o cotovelo apontado para cima, como se estivesse se alongando;
  • Passe a mão direita pela mama esquerda, fazendo movimentos de apalpação com a ponta dos seus dedos, de forma delicada, porém, firme;
  • Realize movimentos circulares com firmeza, sem causar dores ou algum tipo de desconforto;
  • Faça também movimentos circulares, com os dedos firmes, porém, sem causar dor ou desconforto. Inicie pela axila e vá seguindo em direção ao mamilo;
  • Fique atenta a possíveis alterações como: regiões densas, duras, ou caroços;
  • Lembre-se que também é preciso “verificar” as axilas, então, faça os mesmos movimentos na região;
  • Pressione de maneira muito suave o mamilo, para ver se existe algum líquido sendo eliminado;
  • Não se esqueça de repetir todo o passo a passo no outro seio.
  1. Palpação deitada
  • Deitada na cama, coloque um travesseiro fino embaixo do seu ombro esquerdo e a mão esquerda atrás da cabeça;
  • Com a mão direita, comece a apalpar a mama esquerda, fazendo os mesmos movimentos indicados no item 2 (dedos firmes e movimentos circulares);
  • Repita o passo a passo na outra mama.

“Mas por que eu preciso fazer o exame em diferentes posições?” Bem, as mamas costumam se movimentar de acordo com o corpo, sendo assim, qualquer tipo de alteração pode passar despercebida em diferentes posições.

O interessante do procedimento realizado durante o banho é que o sabão ajuda os dedos a deslizarem, facilitando o processo de toque.

O que você deve observar durante o autoexame de mama?

Que é preciso atenção para qualquer tipo de alteração você já sabe, mas quando listamos isso, acaba ficando mais fácil de encontrar anormalidades.

Saiba, principalmente, que você pode encontrar alterações que não sejam nada, mas apenas um médico ginecologista poderá falar sobre isso com mais propriedade, então, anote suas dúvidas e possíveis diferenças na mama e agende uma consulta!

Observe alguns detalhes:

  • Líquido saindo do mamilo: pode ser de coloração branca (não sendo leite materno), amarela, transparente ou de sangue;
  • Alterações na mama: retração, arredondamento pontual ou alteração na coloração;
  • Espessura diferente ou edema (quando você aperta e parece que a pele “afunda”);
  • Mamilo com inversão anormal;
  • Nódulo endurecido na axila;
  • Coceira no mamilo que não melhora nem com a utilização de corticoide;
  • Dores nas mamas e/ou axilas;
  • Veia dilatada ou aumentando de tamanho na mama;
  • Textura da pele alterada, com surgimento de rugas ou aparência de celulite.

Caso algumas dessas alterações seja observada durante a sua palpação, não entre em pânico! Apenas um médico poderá diagnosticar qualquer tipo de neoplasia ou orientar sobre o que deve ser feito. 

Por isso, procure imediatamente orientação de um ginecologista e agende uma consulta o quanto antes.

Caso você já tenha passado por algum ginecologista e ele tenha lhe encaminhado para um  especialista em oncologia, não hesite, entre em contato com o CON!

Estamos de portas abertas para lhe atender e auxiliar no seu processo de tratamento de forma humanizada e multidisciplinar.

Luiza D'Ajuda

Luiza D'Ajuda

Relacionamento CON


Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. * Campos obrigatórios


CON - Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão - Todos os direitos reservados Copyright 2020