como-evitar-que-os-sentimentos-negativos-afetem-o-tratamento-do-cancer.jpg?time=1586213724

2 de abril de 2020 Equipe CONCON0
  • Descubra como o estresse e a ansiedade podem ser combatidos para que não atrapalhem o restabelecimento da saúde

Você sabia que, durante o tratamento do câncer, nutrir pensamentos positivos pode ser um diferencial para o restabelecimento da saúde? 

Quando o paciente recebe o diagnóstico da neoplasia, é comum surgirem diferentes dúvidas e angústias, afinal, você é um ser humano! No entanto, esses questionamentos precisam dar espaço a uma mente otimista. 

Certamente, você já ouviu falar que “as palavras têm poder”, então, cultivar a positividade é fundamental para o sucesso do tratamento. Podemos citar o exemplo da artesã Katia Regina, que enfrentou dois cânceres ao mesmo tempo, algo raro na medicina. 

Sempre otimista, ela acredita que a sua positividade foi um dos fatores fundamentais para o sucesso do tratamento: “Se a gente achar que não vai dar certo, a probabilidade de dar errado é muito maior.”

Você pode ler (e se inspirar) com a história completa clicando na matéria abaixo:

Mas somos seres humanos com experiências de vida únicas, o que significa que cada pessoa pode reagir de uma forma após a descoberta do diagnóstico. 

Por isso, nosso objetivo neste artigo é te mostrar que é importante se manter otimista e sempre acreditar na sua possibilidade de cura, assim como nós acreditamos! 

Afinal, sentimentos negativos podem atrapalhar o restabelecimento da sua saúde, ou até mesmo tornar tal momento menos leve. Continue lendo para entender mais sobre o assunto. Boa leitura!

Vilões do tratamento do câncer: estresse e ansiedade


Conforme já citamos acima, receber o diagnóstico da neoplasia pode trazer muitas perguntas e dúvidas, como “Por que eu estou passando por isso?”. 

Sim, é normal se sentir confusa(o) e alarmada(o) diante de uma notícia que ninguém está preparado para receber, mas acreditar que é possível restabelecer a saúde é o primeiro passo para realizar um tratamento eficaz

Nesse momento, é importante buscar uma rede de apoio entre pessoas queridas, para que você se sinta mais forte e preparada(o) para as próximas etapas. Além disso, também é fundamental buscar atividades que proporcionam leveza e tranquilidade.

Seguindo essas dicas, você não irá dar espaço para um sentimento que pode atrapalhar o seu tratamento: o estresse.

Pesquisas apontam que ele pode ser um vilão para a eficácia do tratamento do câncer ao impactar a forma como o organismo reage aos medicamentos recebidos. 

Além disso, o sentimento também atrapalha o bem-estar e a qualidade de vida do paciente oncológico, fatores especialmente importantes durante essa etapa.  

Outra manifestação emocional que também é negativa para as pessoas que estão em busca da cura é a ansiedade.

O impacto do diagnóstico pode fragilizar o paciente a ponto de causar uma série de dúvidas sobre o futuro, como incertezas a respeito de diferentes aspectos, tais como:

  • Futuro da família;
  • Vida profissional; 
  • Insegurança em relação ao tratamento.

Nós compreendemos que seja normal o surgimento de questionamentos sobre esse período, mas acreditamos que encontrar acolhimento e se manter informada(o) sejam fundamentais para manter a tranquilidade e a qualidade de vida.

 

Informação e apoio: essenciais para um tratamento eficaz

Saber como vai ser o tratamento pode reduzir a angústia gerada pelo diagnóstico. Por isso, é muito importante tirar todas as dúvidas sobre o tratamento com o seu médico e com a equipe que irá te atender. 

Pessoas de confiança também podem ajudar bastante, pois irão auxiliar a absorver as informações necessárias divulgadas pelos médicos, que irão proporcionar segurança em relação aos próximos passos do tratamento

Podemos citar, também, que buscar ampliar o conhecimento sobre o câncer é uma forma eficiente de prevenir neoplasias e até obter o diagnóstico precoce, fundamental para o sucesso do tratamento.

Uma informação muito relevante e que deve ser destacada é que a medicina está cada vez mais avançada, o que possibilita um tratamento com mais qualidade de vida e menos efeitos colaterais. 

Assim, o paciente consegue inserir diferentes atividades à rotina sem prejudicar o seu tratamento. Tenha um diálogo aberto com o médico, tire suas dúvidas e saiba o que pode ser realizado ou não.

 

Como o CON atua nesse sentido? 

O CON acredita que saber ouvir e dar atenção são essenciais nessa etapa. É essencial acolher quem está passando pelo tratamento de câncer e, por isso, existem algumas ações desempenhadas em nossas unidades, que visam a qualidade de vida do paciente oncológico:

Oferece acolhimento, diálogo e terapia em grupo para quem enfrenta o tratamento do câncer de mama. Trata-se de uma oportunidade de se abrir, buscar conforto e contato com outras pessoas que passam pela mesma situação.

Reforçando o compromisso do CON em relação à parte emocional dos nossos pacientes e seus familiares, temos uma equipe de psicólogos que está pronta para oferecer suporte emocional, cognitivo e comportamental.

Além disso, o nosso site oferece diversas informações válidas para quem acabou de ser diagnosticado e deseja descobrir os primeiros passos para restabelecer a saúde. Você pode conferir em: 

 

Repassando o que vimos neste post

  • Durante o tratamento do câncer, nutrir pensamentos positivos pode ser um diferencial para o restabelecimento da saúde;
  • É importante prestar atenção ao estresse e à ansiedade: eles podem se tornar vilões do tratamento;
  • Para que sentimentos negativos não atrapalhem a nova rotina, é fundamental se manter informada(o) e buscar o apoio de pessoas queridas;
  • O CON oferece uma equipe de psicólogos, grupo terapêutico e informações em seu site para que o paciente oncológico obtenha maior qualidade de vida.

Gostou das nossas dicas? Sentiu falta de algum conteúdo neste artigo? Não deixe de escrever nos comentários!


coronavirus-o-que-voce-realmente-precisa-saber-1200x461.jpg

27 de março de 2020 Equipe CONCON0

As principais dicas e orientações sobre os cuidados com a COVID-19.

O coronavírus é um assunto que ganhou relevância nos últimos meses, após o registro do primeiro caso em Wuhan, China, em dezembro de 2019.

Desde então, diversos países viram o aumento progressivo do número de pessoas infectadas pelo vírus SARS-CoV-2. Por isso, a Organização Mundial da Saúde, OMS, classificou o surto da COVID-19 como pandemia. 

No Brasil, diversas medidas têm sido tomadas para a prevenção e combate ao novo coronavírus. Para que haja o controle do número de casos até a sua redução, é fundamental que cada um faça a sua parte.

O que devo fazer para não pegar coronavírus?

A dica mais importante é: FIQUE EM CASA

O isolamento é uma das principais medidas adotadas em todos os países que possuem registros de casos da COVID-19.

Por ser uma doença infecciosa, uma vez que você entra em contato com alguém que foi infectado pelo SARS-CoV-2, mesmo que a pessoa não apresente sintomas, o risco de contágio é alto!

O CON é seu aliado na prevenção ao coronavírus!

Como você já sabe, as ações preventivas são sempre a melhor escolha para evitar o surgimento de doenças.

E é claro que o CON não iria deixar de trazer as principais orientações para este momento.

Acesse agora mesmo o nosso material “Coronavírus: o que você realmente precisa saber!” e veja todas as dicas da nossa equipe.

Apenas os idosos devem se preocupar com o coronavírus?

Embora os idosos façam parte do grupo de risco da COVID-19, eles não são a única parcela da população que deve tomar os cuidados necessários contra o vírus. 

Pessoas mais jovens, que possuem hábito de circular em transportes públicos e locais com aglomeração também estão suscetíveis a entrar em contato com vírus. 

Por mais que a imunidade esteja fortalecida nesta fase e o coronavírus não traga graves prejuízos à saúde destas pessoas, vale lembrar que o adulto pode ser um portador do vírus, ajudando a disseminá-lo para os grupos de risco.

Além disso, outros grupos que devem tomar cuidado com o SARS-CoV-2 são: hipertensos, fumantes, diabéticos e asmáticos.

Os cuidados com a saúde começam pelas mãos: previna-se!

Você sabia que lavar as mãos é uma ação eficaz para manter a qualidade de vida em dia?

Em tempos de prevenção ao coronavírus, é fundamental que a higienização correta das mãos faça parte da sua rotina, especialmente se você sair de casa, seja para ir ao mercado ou à padaria, por exemplo. 

Mas é importante reforçar que não basta abrir a torneira e molhar as mãos: elas precisam ser lavadas da forma correta. O CON preparou um post com todos os passos para uma limpeza completa dos pulsos à ponta dos dedos.

E não se esqueça do álcool em gel! O produto é responsável por potencializar o combate aos vírus e bactérias que podem entrar em contato com a superfície das mãos.

A prevenção pode salvar a sua vida e a de muitas pessoas. Previna-se e compartilhe este post!

Baixe o nosso guia de prevenção ao coronavírus!

O material preparado pela equipe do CON traz as principais informações sobre a doença infecciosa, como:

 

  • O que são coronavírus; 
  • Como se transmite; 
  • Sinais e sintomas; 
  • Como se prevenir. 


a-importancia-de-lavar-as-maos-como-manter-a-sua-imunidade-1-1200x461.jpg

Um ato simples e que é fundamental para prevenir até mesmo o coronavírus!

Você sabia que lavar as mãos pode evitar o surgimento de diversas doenças? 

Em momentos como o de prevenção ao coronavírus, é necessário redobrar a atenção e os cuidados com a higiene pessoal.

Embora seja comum associar a lavagem das mãos aos cuidados com recém-nascidos ou quando realizamos visitas em hospitais, é fundamental ter em mente que o ato precisa fazer parte da rotina de todos.

Por isso, o Blog CON traz uma reflexão sobre a importância da ação, além de dicas para que você cuide bem da sua saúde a partir das mãos.

Boa leitura!

Qual a importância em lavar as mãos corretamente?

Embora possa parecer uma ação simples, lavar as mãos é fundamental para evitar o contato com as chamadas doenças infecciosas, transmitidas por vírus ou bactérias. Alguns exemplos são:

  • Conjuntivite;
  • Hepatite A;
  • Giardíase;
  • Gripes e resfriados;
  • Coronavírus.

Você pode estar se perguntando: “por que apenas lavar as mãos pode prevenir tantos problemas de saúde? Parece tão simples para as consequências que podem surgir”. 

Vamos imaginar a seguinte situação: uma pessoa gripada espirra ou tosse nas mãos e toca uma maçaneta para abrir a porta. Alguns minutos depois, você coloca a mão na mesma maçaneta e não lava em seguida. Se você coçar seu olho ou seu nariz com a mão contaminada, a chance de acontecer a transmissão do coronavírus, por exemplo, é alta, concorda?

Podemos considerar que as mãos são fundamentais para que haja o primeiro contato com o vírus. Por uma distração, você pode utilizar seus dedos para coçar os olhos, nariz ou boca, o que aumenta o contato com o vírus.

Quando devemos lavar as mãos?

A OMS, Organização Mundial da Saúde, recomenda que a ação seja realizada de forma frequente ao longo do dia. 

Vale lembrar que existem momentos específicos em nossa rotina que já exigem a lavagem das mãos, como:

  • Após utilizar transporte público;
  • Ao tossir ou espirrar;
  • Antes de entrar em contato com pessoas que possuem imunidade baixa;
  • Antes de preparar ou consumir refeições; 
  • Após jogar o lixo fora/separar o lixo para jogar fora;
  • Após ir ao banheiro. 

Além de manter a higienização das mãos em dia, é fundamental que elas sejam lavadas da maneira correta. 

Se você ainda não sabe todos os passos para uma higienização perfeita, não se preocupe: o CON separou as melhores dicas para que você lave as suas mãos da forma mais completa possível. 

Confira a seguir:

Como lavar as mãos corretamente? 12 passos para a prevenção:

  1. Abra a torneira para molhar as mãos, sempre evitando encostar na pia;
  2. Aplique o sabonete na palma da mão;
  3. Esfregue as palmas das mãos, ensaboando-as;
  4. Esfregue bem os dedos;
  5. Entrelace os dedos para friccionar os espaços entre eles;
  6. Esfregue as pontas dos dedos na palma da outra mão;
  7. Esfregue os polegares;
  8. Em um movimento de “vai-e-vem”, esfregue os dorsos dos dedos;
  9. Esfregue, em movimento circular, os punhos;
  10. Enxágue bem as mãos, evitando, se possível, encostar as mãos limpas na torneira;
  11. Seque bem as mãos com uma toalha ou papel toalha (utilizando a quantidade suficiente de folhas);
  12. Pronto! Suas mãos já estão higienizadas!

Lavar as mãos com água e sabão: a combinação perfeita para a prevenção

Como você já pode ter ouvido falar, lavar as mãos (muito bem) auxilia no combate aos vírus e bactérias que podem entrar em contato de diversas formas. 

Além de ser muito prático, podemos fazer essa higiene sempre que possível e/ou necessário. 

Também podemos utilizar o álcool em gel para a higienização das mãos, muito eficaz quando não há a alternativa imediata de água e sabão, como quando vamos aos mercados, por exemplo. 

Mas vale lembrar que o confinamento é a melhor forma de evitar que o Coronavírus se espalhe, por isso, mantenha-se na segurança da sua casa!

Dia Mundial de Lavar as Mãos: conscientização e prevenção

O ato de lavar as mãos é tão importante quando pensamos em atitudes que geram saúde, que existe um dia específico para a conscientização do assunto: 15 de outubro.

Governos e organizações sanitárias se reúnem para realizar ações de conscientização sobre o assunto, reforçando a importância de lavar as mãos para evitar o surgimento de doenças.

O Dia Mundial de Lavar as Mãos também traz o incentivo para que a ação se torne um hábito desde a infância, com campanhas voltadas para as escolas em nosso país. 

A prevenção pode salvar vidas: previna-se! 

Quando pensamos em qualidade de vida, existem diversas ações que são eficazes quando o assunto é a prevenção de doenças.

Para manter o bem-estar e a saúde em dia, é fundamental fazer a nossa parte e adotar as medidas necessárias para combater não apenas o coronavírus, como outros problemas. 

Lembre-se: talvez você não faça parte do grupo de risco do coronavírus, mas ao adotar medidas de prevenção, você também irá contribuir para que a doença não seja transmitida a quem está mais vulnerável.

Falando nisso, você já lavou as mãos hoje?


informe-do-con-em-relacao-a-pandemia-pelo-novo-coronavirus-covid-19-14-03-2020-1200x1201.jpeg

O CON – Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão, baseado nas informações disponibilizadas pela Organização Mundial de Saúde, pelo Ministério da Saúde, pela Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica e pela comunidade científica, e comprometido em promover a saúde, garantir o melhor cuidado aos nossos pacientes e a seus familiares e cuidadores e também em orientar de maneira criteriosa e responsável a população de forma geral, recomenda as seguintes medidas preventivas em relação à pandemia pelo novo coronavírus (COVID-19).

A toda a população:
– Manter a higiene frequente das mãos com água e sabão/sabonete ou preparação alcoólica (álcool em gel) diversas vezes ao dia.
– Evitar tocar olhos, nariz e boca sem higienização adequada das mãos.
– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar, com cotovelo flexionado ou utilizando-se de um lenço descartável.
– Evitar ambientes fechados e principalmente aglomerações.
– Nesse momento, somente tem indicação de realizar o exame para o diagnóstico de COVID-19 quem estiver com determinados sintomas como febre, tosse, dor no corpo, falta de ar e tiver entrado em contato com caso suspeito ou confirmado de COVID-19 ou tiver histórico de viagem ao exterior nos últimos 14 dias.
– Destacamos que as pessoas com qualquer sintoma de gripe e que tiveram contato com indivíduos na mesma condição ou aquelas que tenham o diagnóstico confirmado de coronavírus (COVID-19) devem evitar se aproximar de demais pessoas. A recomendação é para que fiquem em casa.
– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
– Vacinar contra o vírus influenza (vacina da gripe), seguindo o novo cronograma do Ministério da Saúde a partir de 23 de março de 2020. Os idosos e profissionais de saúde devem se vacinar em 23 de março de 2020. Os portadores de doenças crônicas (câncer) devem se vacinar em 16 de abril de 2020.
– É importante destacar que o uso de vitaminas, produtos naturais ou métodos alternativos não são recomendados, pois não apresentam eficácia comprovada e não substituem as medidas preventivas já estabelecidas ao novo coronavírus.

Aos pacientes com diagnóstico de câncer é muito importante destacar:
– Não interromper os seus respectivos tratamentos oncológicos.
– Evitar o contato físico, como os cumprimentos com aperto de mão, beijos e abraços.
– Evitar contato com qualquer pessoa que tenha sintomas gripais ou que esteja em investigação para possível infecção pelo novo coronavírus.
– Evitar contato com pessoas que estejam chegando do exterior, com ou sem sintomas gripais.
– Caso apresente um dos seguintes sintomas, favor contatar o seu médico: Febre, coriza, tosse seca, falta de ar.

Nos hospitais, centros médicos, nas clínicas e consultórios:
– Evitar contato físico direto, com o seu médico, a equipe de saúde e com todas as pessoas que circulam pelo ambiente hospitalar.
– Permanecer somente o tempo necessário na estrutura de saúde.
– Os pacientes que são submetidos a tratamento e/ou que realizam consultas em clínica de oncologia devem comparecer somente com um acompanhante e este não apresentando sintomas de gripe.
– As visitas hospitalares a familiares, amigos, etc. devem ser reconsideradas, sendo restritas a situações muito específicas e estritamente necessárias.

A pandemia relacionada ao coronavírus merece total atenção das lideranças e das estruturas de saúde pública e privada, pois as consequências de uma falta de ação célere, integrada e preventiva podem trazer gravíssimas consequências e o colapso do sistema de saúde.

A implementação de precauções de forma padronizada e coordenada constitui a principal medida de prevenção da transmissão entre pacientes, profissionais de saúde e a população em geral e deve ser adotada pensando-se no cuidado coletivo. Atualmente não existe vacina para a prevenção de infecção por coronavírus (COVID-19), então a melhor maneira de prevenir é evitar a exposição ao vírus.

Sabemos que os indivíduos de maior risco são os idosos frágeis e os portadores de doenças crônicas (comorbidades), onde destacamos os pacientes com câncer. Nesses pacientes as alterações de imunidade decorrentes do próprio câncer, de estados de pós operatório, pelos diversos tipos de tratamento (quimioterapia, corticoterapia, hemoterapia, transplante de medula e radioterapia) os classificam como pacientes com alto risco de complicações em caso de infecção pelo novo coronavírus (COVID-19). O alerta é necessário, sendo essencial agirmos de forma preventiva, criteriosa, padronizada e coletiva.

Estaremos atentos às atualizações e novas recomendações das autoridades especializadas visando sempre ao melhor cuidado e à segurança de todos.

Dr Bruno de Araújo Lima França
Diretor Médico CON

Fontes:
– Organização Mundial de Saúde
– Ministério da Saúde
– Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica
– Fundação Osvaldo Cruz
– New England Journal of Medicine


mitos-e-verdades-sobre-o-exame-de-mamografia.png?time=1586213724

Descubra as respostas para as principais dúvidas sobre o exame de prevenção ao câncer de mama 

O exame de mamografia é uma das formas mais eficazes para detectar, de forma precoce, o câncer de mama.

Além de nódulos palpáveis, a mamografia também identifica diferentes formas da neoplasia, que o autoexame não permite encontrar. Por exemplo, os microcristais de cálcio, que ficam depositados no tecido mamário.

A realização do exame de forma periódica é fundamental, pois, dessa forma, as chances de cura da neoplasia são mais altas. Ou seja, a prevenção é a melhor solução! 

No entanto, existe uma certa resistência do público feminino, pois alguns mitos sobre a realização do exame são divulgados. 

Pensando nisso, separamos alguns levantamentos muito comuns, para que as informações se tornem mais claras para você. Confira!

“Não tenho histórico de câncer de mama na família, então não preciso fazer o exame”: mito!

Você sabia que 85% das pessoas que realizam tratamento oncológico não possuem histórico da neoplasia na família?

Logo, é fundamental que você faça o exame anualmente. Verifique nos próximos itens as indicações de idade e cuide-se!

“Fiz o autoexame e não encontrei nódulos… preciso fazer a mamografia?”: sim!

Sim, você precisa!

A Sociedade Brasileira de Mastologia indica que a mamografia deve ser realizada anualmente por mulheres acima dos 40 anos. Mesmo que não exista histórico familiar, como citamos acima. 

Além disso, é importante relembrar que a mamografia identifica outras formas de manifestação da neoplasia.

“A mamografia dói”: depende!

A sensação de incômodo varia de acordo com a sensibilidade da paciente. 

No entanto, o exame pode, sim, gerar um leve incômodo na região durante a realização. 

Durante o período menstrual, por exemplo, os seios tendem a ficar mais sensíveis, contribuindo para a sensação de dor.

“A mamografia causa câncer de tireoide”: mito!

Como existe exposição da mama à radiação durante o exame, especulou-se que os raios também atingiriam a tireóide, causando a necessidade de tratamento oncológico na região.

Na verdade, a radiação emitida no exame é direcionada para as mamas, atingindo outras regiões do corpo de forma extremamente baixa (menos de 1%). 

Ou seja, não há indícios de que a mamografia seja capaz de causar câncer de tireoide.   

“Eu tenho silicone, então não posso fazer o exame”: mito!

Não só pode, como deve!

No entanto, é importante avisar ao profissional que você possui próteses na região dos seios, pois o exame é realizado de forma diferente nesse caso. 

Segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia, “nessa situação, a ultrassonografia pode ser útil por ajudar a complementar a avaliação das próteses e elucidar eventuais achados obscurecidos pelas próteses a mamografia”.

Vale lembrar, também, que será aplicada uma menor quantidade de pressão na região durante o exame. Assim, não há a possibilidade da prótese romper. 

Também existe a possibilidade da realização de uma ultrassonografia, porém cabe ao médico especialista decidir qual o exame ideal para cada caso, que geralmente são específicos. 

Como funciona o exame de mamografia?

Considerado o raio-x da mama, o exame é realizado em um aparelho chamado mamógrafo.

Consiste em duas placas que se aproximam, pressionando os seios por pouco tempo para captar as imagens. A mamografia pode ser realizada de forma analógica ou digital. 

E, quando falamos em exame, não podemos deixar de pensar em dois profissionais essenciais (e complementares) para a prevenção e o combate ao câncer de mama: o Mastologista e o Ginecologista. 

 

Realizem os exames necessários e mantenham a saúde em dia. A prevenção é um ato de amor próprio e pode salvar vidas!

 

—————————————————————————————————————————

 

Fonte:

https://saude.abril.com.br/medicina/mamografia-para-cancer-de-mama-o-que-e-e-quando-fazer-esse-exame/

https://www.sbmastologia.com.br/noticias/dia-nacional-da-mamografia-sbm-esclarece-duvidas-sobre-o-exame/


a-conscientizacao-do-cancer-e-de-extrema-importancia.png?time=1586213724

4 de fevereiro de 2020 Equipe CONCON0

Diagnósticos precoces são essenciais para tratamentos de sucesso.

 

Muito se fala sobre o diagnóstico precoce de qualquer tipo de neoplasia e a conscientização do câncer, pois, só assim, médicos especialistas poderão indicar o melhor tratamento para a questão.

É extremamente importante que o medo seja deixado de lado, afinal, a saúde e a qualidade de vida são os pilares de qualquer ser humano.

Ao longo do ano, possuímos campanhas distintas para cada tipo de neoplasia e, através delas, podemos abordar assuntos pertinentes, tirar dúvidas e fornecer informações relevantes para auxiliar nessa conscientização.

Hoje, escrevemos esse post com o intuito de apresentar tais campanhas, ajudando a todos que precisam “conversar” e saber mais sobre o câncer.

 

O Dia Mundial do Câncer e sua importância para a conscientização

 

Instituído pela União Internacional para o Controle do Câncer (UICC), em 2005, O Dia Internacional do Câncer faz com que a prevenção seja pensada de maneira global.

Muitas instituições de saúde utilizam essa data para aumentar a abrangência sobre o assunto, com o objetivo de diminuir os índices de incidência das doenças relacionadas.

Isso ajuda no alerta à população, sobre como é importante manter hábitos saudáveis, exames periódicos em dia e tratamentos realizados por equipes preparadas.

Esses detalhes fazem com que o diagnóstico precoce seja possível, afastando as chances de um tratamento mal sucedido.

Esse alerta deve se manter durante todos os períodos do ano, por isso, a equipe CON está sempre desenvolvendo campanhas específicas para diferentes tipos de neoplasias, fazendo com que todos tenham acesso à informações essenciais para esse combate. 

Continue acompanhando o nosso conteúdo e conheça as campanhas realizadas ao longo do ano. Dividimos em duas, partes: primeiro e segundo semestre, para que a leitura seja facilitada para você!

 

A conscientização do câncer e o primeiro semestre do ano 

 

Janeiro é marcado pelo combate ao câncer de colo de útero, uma campanha que leva a cor verde piscina, nos fazendo mergulhar nesse universo feminino. 

Esse é um tipo de neoplasia muito comum entre as mulheres do mundo todo, estando em terceiro lugar em incidência.

O principal fator de risco continua sendo o HPV, doença sexualmente transmissível, podendo ser prevenida através da utilização de preservativos. 

Em 2014, foi implementada no SUS a vacinação gratuita do HPV e, a partir de 2017, a idade para o recebimento da dose aumentou, passando para até 14 anos em meninas e meninos.

Para saber mais sobre o câncer de colo de útero, acesse o nosso post clicando aqui

Em fevereiro, temos uma data super importante para a conscientização do câncer, pois, mais precisamente no dia 04, possuímos o Dia Mundial do Câncer, motivo para estarmos escrevendo esse conteúdo em busca de disseminar informação. 

Já o mês de março vem com a conscientização e o alerta sobre o mieloma múltiplo (MM), câncer das células plasmáticas encontradas na medula óssea. Acesse o nosso blog para um conteúdo completo sobre o tema.

Maio vem com uma cor quente, o vermelho, alertando para o câncer de boca, ainda pouco falado nas campanhas, porém com total importância para a saúde através da prevenção. 

O combate à leucemia vem em tons de laranja no mês de junho, abordando um tema que pode ser tratado em conjunto com a doação espontânea de sangue e medula, que podem salvar muitas vidas! Também fizemos um post muito interessante sobre o assunto e você pode acessar aqui.

 

As campanhas de prevenção do segundo semestre 

 

Neoplasias que englobam cabeça e pescoço são abordadas em julho, através da cor verde, que nos permite ter esperanças de um futuro repleto de bem-estar. 

Além disso, a conscientização do câncer de bexiga também é trabalhada no mesmo mês. Inclusive temos conteúdos relacionados a ambos os temas no nosso blog. Acesse: 

https://con.com.br/noticias/sem-categoria/campanha-julho-verde/

https://con.com.br/noticias/sem-categoria/julho-conscientizacao-e-prevencao-ao-cancer-de-bexiga/

Agosto chega com campanhas de conscientização, como as que são realizadas em janeiro, buscando alcançar um número cada vez maior de pessoas interessadas em cuidar da saúde, através da realização de exames preventivos e de rotina.

Em setembro é a vez da prevenção do câncer ginecológico, visando despertar sobre a importância do diagnóstico precoce, informando fatores de risco e sintomas, como você pode conferir aqui.

Outubro possui grande destaque para o CON, visto que realizamos eventos que contam com a participação de pacientes, amigos e familiares, abordando temas complexos e outros mais leves, sobre os diferentes tipos de neoplasia que acometem, principalmente, as mulheres. 

Ano passado realizamos o Outubro em Tons de Rosa, um encontro lindo, que envolveu centenas de pessoas em diferentes dias e locais. Confira a nossa cobertura no blog: https://con.com.br/noticias/.

Novembro é branco, com uma abordagem essencial à prevenção do câncer de pulmão, que engloba, em todo o mundo, 13% dos novos casos de neoplasias.

Confira um conteúdo exclusivo, desenvolvido pelo Dr. Bruno França, oncologista e diretor médico do CON. Clique aqui

O mesmo período também alerta sobre como “cuidar da saúde também é coisa de homem”, e nos traz o novembro azul e a importância dos exames preventivos do câncer de próstata, que destacamos aqui.

E dezembro, o último mês do ano, que sempre vem cheio de nostalgia e energias positivas das datas comemorativas, carrega a cor laranja, remetendo ao sol e aos cuidados que devemos tomar com as altas incidências dos raios UVA e UVB.

Onde o verão deve ser aproveitado com muita cautela, devido ao câncer de pele. Acesse a página principal do blog para obter conteúdos completos sobre esse assunto. 

Esperamos que esse post tenha sido útil para proporcionar acesso à informações de diferentes tipos de neoplasias, aumentando a chance de prevenção, realização de exames de rotina, diagnósticos precoces e tratamentos de muito sucesso. 

Conte sempre com o CON!


confira-dicas-de-alimentos-para-pacientes-com-cancer.png?time=1586213724

17 de janeiro de 2020 Equipe CONCON0

Saiba o que deve evitar durante o tratamento oncológico

 

Alimentos para pacientes com câncer devem ser pensados de maneira individual e com total atenção, pois eles podem aumentar a qualidade de vida durante o tratamento.

Como sabemos, o câncer possui diferentes tipos de opções para o tratamento, tais como: quimioterapia, radioterapia, imunoterapia, cirurgia ou a combinação deles.

De acordo com o diagnóstico e a neoplasia em questão, o médico irá prescrever o mais adequado.

Todo tipo de tratamento, dependendo do medicamento utilizado, possui alguns efeitos colaterais, que variam de pessoa para pessoa, pois cada organismo é único e não existem comparações.

Saiba quais são os possíveis sintomas:

– Náuseas;
– Vômitos;
– Diarréia;
– Constipação;
– Inapetência.

Por isso, na nutrição, o paciente é atendido individualmente, através de uma anamnese alimentar que inclui os sintomas que está apresentando.

Essa é uma avaliação onde o risco nutricional, ou algum grau de desnutrição, é detectado. E, a partir dessa análise, o nutricionista intervém.

Com o acompanhamento durante o tratamento oncológico, o nutricionista é capaz de contornar as possíveis toxicidades e os possíveis efeitos colaterais.

Dicas de alimentos para pacientes com câncer

Pensando no bem-estar do paciente que está passando por tratamento de alguma neoplasia, nutricionistas oncológicos orientam que alguns alimentos sejam evitados. São eles:

– Frituras;
Alimentos gordurosos;
– Crustáceos;
– Queijos amarelos;
– Carne vermelha;
– Preparações;
Alimentos muito doces;
Alimentos que possuem fortes odores.

Esses itens podem contribuir mais facilmente com o surgimento de náuseas (enjoos), ocasionando mal-estar ao paciente.

É preciso que a alimentação tenha alguns cuidados para que os efeitos colaterais possam ser minimizados. Confira abaixo:

– Dê preferência a alimentos salgados, secos, cítricos, frios ou gelados;
– Realize as refeições em locais arejados;
– Não beba líquidos durante as refeições (almoço e jantar);
– Evite ficar sem comer por muito tempo;
– Prefira alimentos in natura, como: frutas, legumes e verduras, pois irão oferecer as vitaminas e os minerais necessários;
– Preocupe-se com a higienização dos alimentos;
– Consuma maior quantidade de carne branca, leite e queijos brancos, pois eles garantem o aporte proteico necessário.

Beba água! Ela ajudará na “limpeza” do organismo, eliminando mais rápido a medicação. Isso evita ou suaviza o aparecimento de sintomas indesejáveis. 

Siga as orientações, desta forma, você poderá obter qualidade de vida e bem-estar durante todo o tratamento oncológico. 

Lembre-se que cada tratamento é individualizado e, em caso de dúvidas, procure o seu nutricionista oncológico ou o seu médico oncologista/onco-hematologista. 

www.con.com.br 

 


janeiro-verde-alerta-para-a-prevencao-ao-cancer-de-colo-do-utero-1200x600.png

Prevenção e cuidados femininos são importantes!


A campanha mundial ‘Janeiro Verde’ é dedicada a conscientizar e alertar a população feminina sobre a prevenção ao câncer de colo do útero.

Também chamado de câncer cervical, este é o terceiro tumor maligno mais incidente entre a população feminina (atrás do câncer de mama e do colorretal), excetuando-se o câncer de pele não-melanoma. É, ainda, a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

Conheça os fatores de risco do câncer de colo do útero

O principal fator de risco para o desenvolvimento do câncer de colo do útero é a infecção persistente pelo Papilomavírus Humano (HPV), uma doença sexualmente transmissível (DST).

Os subtipos HPV16 e o HPV18 são os mais vinculados ao desenvolvimento deste câncer e estão presentes em cerca de 70% dos casos.

A vacina contra o HPV é uma das ferramentas para a prevenção ao câncer de colo do útero.

No Brasil, o Ministério da Saúde implementou, em 2014, no Sistema Único de Saúde a vacinação gratuita para meninas de 9 a 13 anos.

A partir de 2017, o Ministério ampliou a vacinação para meninas de 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. Essa vacina protege contra os subtipos 6, 11, 16 e 18 do HPV.

Outros fatores de risco são:

– Imunossupressão (infecção pelo HIV, por exemplo);
– Início precoce da atividade sexual e com múltiplos parceiros;
– Uso prolongado de anticoncepcionais orais;
– Tabagismo.

Dentre os fatores de proteção tem-se que mencionar os métodos de barreira, como as camisinhas, durante a relação sexual.

Prevenção e o diagnóstico precoce são de extrema importância!

O exame preventivo do câncer de colo uterino (Papanicolau) é a principal estratégia para a detecção de lesões precursoras e o diagnóstico da doença em fase inicial e deve ser realizado periodicamente.

É fundamental destacar que mesmo as mulheres vacinadas devem realizar o exame preventivo. 

“Em relação aos sinais e sintomas mais comuns, devemos ressaltar que eles são inespecíficos ou já podem indicar doença em estágios mais avançados”, afirma a Dra. Cristiane Rocha, oncologista do CON – Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão. “Entre os sintomas, destacam-se: sangramento vaginal, corrimento ou secreção atípica vaginal, dor e/ou sangramento após relação sexual e dor na região pélvica”.

O câncer de colo do útero tem altíssimas chances de ser prevenido ou de ser tratado precocemente de maneira curativa.

Entre os tipos de tratamento estão a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia. “O tratamento varia de acordo com o estadiamento (estágio de evolução da doença) que é definido por exame ginecológico a ser realizado por ginecologista especializado em oncologia e exames de imagem. A curabilidade em estádio I gira em torno de 95% e por isso a importância do exame preventivo regularmente para o diagnóstico precoce”, afirma a especialista.

 


como-cuidar-da-pele-no-verao.png?time=1586213724

19 de dezembro de 2019 Equipe CONCON0

Saiba como se prevenir e quais os fatores que aumentam o risco de câncer de pele.

 

O maior órgão do corpo humano necessita de atenção especial durante a estação mais quente do ano, mas como cuidar da pele no verão?

Essa é uma dúvida que aparece frequentemente, principalmente porque sabemos o quanto as altas temperaturas podem afetar o nosso organismo. 

Muitas pessoas tendem a se preocupar com esse tipo de cuidado somente nesta época do ano, porém é necessário estarmos atentos durante todos os meses.

Algumas patologias tendem a se desenvolver devido a alta incidência dos raios solares, como o melanoma, mais conhecido como câncer de pele.

Por isso, a prevenção deve fazer parte do cotidiano, evitando o envelhecimento precoce, manchas, ressecamentos e mais. 

 

Algumas dicas de como cuidar da pele no verão

 

Geralmente, o rosto precisa de um maior nível de atenção, já que está constantemente exposto ao sol, poluição e outros agentes.

A ingestão de líquidos auxilia na manutenção da hidratação da pele, partindo de dentro para fora: beba mais água, sucos naturais e água de coco.

Sendo assim, além de evitar ressecamento e descamação, a aparência da pele se tornará mais saudável.

Também é indicado que banhos longos e quentes sejam evitados, pois a temperatura da água poderá ressecar a pele ou até mesmo aumentar sua oleosidade. 

Além disso, é sempre bom alertar sobre a exposição ao sol, que deve ser evitada entre 10h e 16h, pois a incidência dos raios tende a ser muito mais forte. 

Inclusive em dias nublados, é extremamente importante a utilização de protetor solar, com aplicações a cada 3h, para manter a pele protegida. 

Existem diversos tipos de protetores no mercado, por isso, para que a escolha seja realizada assertivamente, o ideal é procurar um dermatologista de confiança. 

Para auxiliar com os cuidados, a utilização de guarda-sol, chapéu, óculos e roupas com proteção UVA e UVB também exercem papel fundamental.

 

Obtenha mais informações sobre “Os sinais e os sintomas do câncer de pele” acessando o conteúdo completo aqui. 

Esqueceu de se cuidar ou começou a reparar em manchas na sua pele? Entenda “Quais as diferenças entre melasma e melanoma” clicando aqui.


quais-as-diferencas-entre-melasma-e-melanoma.png?time=1586213724

17 de dezembro de 2019 Equipe CONCON0

Alguns sinais podem ser enviados pela pele. Fique atento(a)!

Algumas preocupações costumam aparecer em determinadas épocas do ano, e o verão é uma estação em que muitas pessoas se preocupam com a pele

Pensando nisso, preparamos um conteúdo que irá te auxiliar na diferenciação entre melasma e melanoma. Continue lendo para saber mais. 

 

Você sabe a diferença entre melasma e melanoma?

A frase “qualquer semelhança é mera coincidência” pode ser aplicada na relação entre melasma e melanoma, visto que possuem características bem parecidas.

Ambas as patologias podem surgir devido aos mesmos fatores: exposição excessiva ao sol e ao calor, agentes químicos, influência genética.

Porém, o melanoma acomete o organismo na forma que conhecemos como câncer de pele, uma espécie de mutação genética que acarreta em acúmulo de células cancerígenas do tecido, sendo que também podem circular pela corrente sanguínea e se acumular em diversas partes do corpo.

Deve-se ficar atento(a) à assimetria das manchas, suas bordas e alterações de cores, além de observar a expansão e o tamanho. 

Já no caso do melasma, visto que a melanina é atingida, algumas manchas se formam, sendo mais comuns nas seguintes regiões: rosto, colo, pescoço e antebraços. 

Tais manchas possuem limites bem marcados, com formato irregular e tons de castanho-escuro e marrom-acinzentado. Além disso, existem diferentes tipos:

  • Epidérmico (quando atinge a camada superficial da pele);
  • Dérmico (quando atinge a camada intermediária da pele, que é composta por terminações nervosas, glândulas e vasos sanguíneos);
  • Misto (quando afeta ambas: derme e epiderme).

 

Elas são inofensivas, mas com o poder de reduzir a autoestima e a qualidade de vida das pessoas afetadas.

Para garantir tratamentos adequados, bem como um melanoma “disfarçado”, consultas regulares a um dermatologista se fazem necessárias. 

Para ambos os casos existem diversos tipos de tratamentos, que poderão ser indicados de acordo com o diagnóstico médico.

 

Proteja-se em todas as épocas do ano, afinal, a prevenção é sempre a melhor alternativa!


CON - Oncologia, Hematologia e Centro de Infusão - Todos os direitos reservados Copyright 2019